A rodagem desta obra, que aconteceu entre os meses de agosto e setembro, na ilha de Santo Antão, esteve a cargo de produções audiovisual Giovani Silva (Portugal).

Segundo Jorge  Martins, Canjana é o presente de Natal do grupo Juventude em Marcha aos cabo-verdianos residentes, mas também para os emigrantes radicados na Europa, Estados Unidos da América (EUA), Canadá e Macau, onde a criação vai ser, igualmente, lançada “brevemente”.

Canjana aborda a fome que assolou Cabo Verde nos anos 40 e o famoso naufrágio, em novembro de 1947, em Ponta de Canjana, no litoral do Porto Novo, do navio norte-americano John Schmeltzer, carregado de milho, que acabou por salvar parte significativa da população de Santo Antão.

“Este projeto diz respeito à única e exclusiva investigação científica feita sobre a fome e o encalhe de John Schmeltzer na zona de Praia Formosa e que marca a afirmação da nossa cabo-verdianidade”,  explicou Jorge Martins, para quem este telefilme vai “enriquecer o arquivo histórico” nacional.

Canjana é o sexto telefilme do grupo teatral Juventude em Marcha, depois de Problemas de Família, Rabo da Bruxa, Dilema, Preço de Um Contrabando e Órfãos do Penedo.