Kevin Hart desistiu do seu trabalho de sonho de apresentar os Óscares por causa da controvérsia à volta de comentários antigos homofóbicos a 7 de dezembro e ainda não foi anunciada oficialmente uma alternativa.

Faltam nove semanas e o que se comenta nos bastidores de Hollywood é que ninguém quer o trabalho por causa das controvérsias e críticas das redes sociais, mas Sandra Bullock tem uma sugestão inovadora para resolver o problema.

"Acho que deviam escolher pessoas ao acaso do público [na sala] e fazê-los tratar de uma secção", explicou à Associated Press.

"Nem lhes digam o que vai acontecer, coloquem apenas o teleponto e digam 'é a vossa vez'. És um ator, arranja-te", acrescentou.

"Acabei de me lembrar disto. É espantoso", elogiou-se, garantindo que partiparia na ideia se fosse à cerimónia, o que não é caso.

Numa outra entrevista ao programa Today, Sandra Bullock ofereceu outra perspetiva quando lhe disseram que existe a hipótese de não haver apresentador.

"É um trabalho ingrato. Independentemente de quem o fizer. Fica-se entusiasmado e no fim, eles ficam 'Foi longo'. É suposto gozar com as pessoas. Irá ser sempre longo. Programem os Óscares para quatro horas e meia e deixem estar. E se acabar mais cedo, fantástico, tenham uma alternativa", concluiu.