Agnès Varda morreu esta sexta-feira aos 90 anos, avançou o Le Monde.

Era considerada uma das mais importantes realizadoras, "compagnon de route" da Nouvelle Vague francesa, cujo filme de estreia, "La Pointe Courte" (1955), antecipava o movimento.

O seu olhar sobre a realidade tornou-se uma referência no cinema, sempre inspiradora em várias épocas graças a filmes como "Duas Horas da Vida de Uma Mulher" (1962), "Sem Eira Nem Beira" (1984), "Jacquot de Nantes" (1990), "Os Respigadores e a Respigadora" (2000) e o recente "Olhares Lugares" (2017).

Aquela que era carinhosamente chamada de "avó da Nouvelle Vague", esteve em Portugal em 2009, para ser homenageada na 10ª Festa do Cinema Francês.

A mulher que já filmava antes de Godard ou Truffaut juntou os jornalistas para uma conferência de imprensa onde falou sobre a sua carreira, sobre os cineastas portugueses que prefere e sobre uma prenda muito especial que recebeu de uma portuguesa.