A Califórnia divulgará na próxima semana um plano para reabrir para a sua indústria de entretenimento, no qual o principal desafio está em Los Angeles, epicentro da maioria das produções, mas também da COVID-19 no estado.

Os estúdios de cinema e televisão neste estado americano fecharam em meados de março, quando as ordens de confinamento por causa da pandemia entraram em vigor.

Esta quarta-feira (20), o governador Gavin Newsom disse que a maioria dos 58 condados da Califórnia "terá a capacidade" de começar a retomar as filmagens seguindo os critérios que serão apresentados na segunda-feira.

Segundo o Deadline Hollywood, estúdios, plataformas de streaming, agências e outras organizações fizeram uma frente de silêncio, mas a reação oficiosa praticamente universal foi de espanto e "incómodo": apesar de semanas de trabalho para a elaboração de diretrizes do setor, ninguém sabia da intenção do governador em avançar com o anúncio e muito menos que a produção poderia ser retomada mais cedo do que se esperava.

"Estamos a mais de um mês de reabrir, pelo menos", disse um produtor veterano.

"Não quero saber o que diz o Newsom. Estou a pensar em julho, na melhor das hipóteses, para ter a certeza que tudo estará seguro para os meus profissionais", acrescentou.

"Não estamos ainda prontos, nem pensar. Existem aqui demasiados casos, demasiadas mortes e demasiadas incógnitas. Eles não conseguem sequer que as lojas de esquina cumpram as regras de reabertura, portanto os 'set's e estúdios estão longe de estarem seguros. Será necessária muita mudança", disse um alto executivo de uma agência que se está a dedicar ao desenvolvimento de novas políticas de segurança para o setor.

O condado de Los Angeles - casa dos estúdios de Hollywood, com o maior número de produções e cerca de 900 mil empregos no setor antes do fecho forçado - representa "o desafio".

"Ainda hoje, das mortes relatadas, um número desproporcional veio desse condado... estamos um pouco preocupados, estão algumas semanas atrás de todos os outros", disse o governador.

A sua chefe de gabinete, Ann O'Leary, descreveu Los Angeles como "o maior obstáculo que temos em relação à indústria".

"Não quero amenizar isso... temos cada vez mais casos na área de Los Angeles e é por isso que vai haver alguns atrasos", disse o governador da Califórnia numa videoconferência com vários líderes da indústria do entretenimento.

créditos: Deadline Hollywood

O condado de Los Angeles confirmou 40 mil casos positivos da COVID-19 com quase duas mil mortes, mais da metade dos registados em toda a Califórnia.

As autoridades locais divulgaram esta semana que restaurantes e centos comerciais não abrirão as suas portas até pelo menos 4 de julho, mesmo quando outras partes do estado começarem a relaxar as restrições.

O chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, que participou na videoconferência, concordou que "tomar atalhos de segurança" teria "terríveis efeitos a longo prazo" sobre o setor.

A gigante do streaming já retomou as produções em países como Islândia, Suécia e Coreia do Sul.

Sarandos disse que as produções com equipas mais pequenas, como documentários, poderiam reabrir mais cedo, enquanto os filmes envolvendo multidões exigirão "muita segurança, muita logística".

A realizadora e produtora Ava DuVernay ("Selma") disse que as equipas no set podem ser divididas em grupos menores que operam em momentos diferentes para reduzir os riscos de contágio.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.