A Disney continua a apostar em recriar em imagem real e animação fotorealista os seus clássicos de desenho animado.

Após os sucessos esmagadores das novas versões de "A Bela e o Monstro", "Aladdin e "O Rei Leão", o próximo a chegar ao público será a nova versão de "A Dama e o Vagabundo". Com uma diferença substancial em relação aos títulos anteriores: será lançado em exclusivo na plataforma Disney+, que arranca a 12 de novembro nos EUA e deverá chegar à Europa nos primeiros meses de 2020.

A história é a mesma do clássico de animação de 1955, sobre a história de amor improvável entre uma cadelinha de boas famílias e um viralata que gosta da vida em liberdade. O primeiro trailer foi divulgado na convenção D23, dedicada ao universo Disney e que decorreu entre 23 e 25 de agosto na Califórnia.

O filme foi rodado em imagem real e conta com animais reais a interpretar os protagonistas caninos, a cocker spaniel Lady e o rafeiro Tramp, com a performance devidamente ampliada por efeitos digitais e as vozes de Tessa Thompson e Justin Theroux.

Segundo o TMZ, o "vagabundo" do filme também teve uma existência muito infeliz: era um cão abandonado que esteve num canil e escapou por pouco à eutanásia, sendo salvo por uma organização dedicada a salvar animais em Phoenix.

A vida do terrier agora com dois anos mudou quando, após apenas sete dias no novo abrigo, foi "descoberto" por Mark Forbes, o treinador dos animais da produção do filme da Disney, que estava à procura de um cão "desarranjado".

Após treiná-lo, Monte passou na "audição" da Disney e conseguiu o papel.

A história não fica por aqui pois a organização que o resgatou obrigou Forbes a prometer que seria adotado por uma família após o final da rodagem, recebendo finalmente o carinho que merece: Monte faz parte agora da família do tratador, juntamente com um guaxinim e um bebé recém-nascido.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.