Samuel Alexander Mendes, reconhecido como Sam Mendes, já era um respeitado diretor teatral quando se estreou no cinema, apadrinhado por Steven Spielberg, com "Beleza Americana" em 1999.

O apelido não deixava espaço para muitas dúvidas e durante a caminhada da sátira à classe média norte-americana até à consagração com cinco Óscares, por cá as referências a Sam Mendes eram acompanhadas por "o realizador com raízes portuguesas".

Vinte anos depois, essas raízes deixam de ser uma vaga curiosidade "nacional" e passam a ter um nome com o seu novo filme "1917": uma história desse antepassado serviu de ponto de partida para o épico de guerra favorito aos Óscares, que lhe é dedicado no final.

Sam Mendes fez o mesmo ao aceitar o prémio de Melhor Filme Drama nos Globos de Ouro: "Gostaria de dedicar este prémio ao meu avô Albert Hubert Mendes, que inspirou este filme. Ele alistou-se na Primeira Guerra Mundial. Tinha 17 anos. Espero que esteja a olhar cá para baixo, para nós. E espero ferverosamente que a guerra não volte a acontecer".

Natural de Trinidad e Tobago, Albert Hubert Mendes foi, além de avô do realizador e pai do professor universitário James Peter Mendes, um aclamado escritor e uma figura pioneira da literatura das Caraíbas.

Descendia de portugueses presbiterianos que faziam parte dos dois mil que, vítimas da tensão religiosa e perseguição, foram expulsos da Madeira pelas autoridades no final dos anos 1840 e se espalharam ainda pelas Bermudas e EUA.

Nada disto está em "1917", mas da sua longa vida (faleceu em 1991, com 93 ou 94 anos), faz parte o conflito mundial de 1914-1918, quando, ágil e baixo, foi encarregado de entregar mensagens na linha da frente. Histórias que recordou muito mais tarde ao neto e os seus primos quando eram crianças.

"Ele teve que passar uma mensagem através de 'uma terra de ninguém'. Tornou-se a base do filme. Então, tudo foi inventado ou baseado em histórias reais de guerra, testemunhos, cartas e diários de outras pessoas", recordou Sam Mendes em entrevista à agência AFP ainda antes da festa dos Globos e das 10 nomeações para os Óscares.

"1917" é "inegavelmente" um dos seus filmes "mais pessoais".

"Isso vem diretamente de mim, embora tenha a impressão de que todos os filmes têm algo pessoal. Mas nunca escrevi o argumento de um dos meus filmes até agora", admitiu.

Uma "sequência" de duas horas

"1917" conta a história de dois soldados, Schofield (George MacKay, de "Capitão Fantástico") e Blake (Dean Charles Chapman, intérprete de Tommen Baratheon em "A Guerra dos Tronos").

Ambos assumem a perigosa missão de entregar uma mensagem em tempo recorde para impedir um ataque contra os alemães, no qual centenas de soldados correm risco de morte, incluindo o irmão de Blake.

Tudo se passa entre 6 e 7 de abril. Para mergulhar o espectador diretamente no inferno da guerra e deixá-lo o mais próximo possível desses dois soldados e em tempo real, Sam Mendes contou com o lendário diretor de fotografia Roger Deakins (vencedor do Óscar com "Blade Runner 2049") para conceber um filme coom uma única "sequência" de duas horas.

Na verdade, tratam-se de vários planos montados em conjunto para dar a impressão de que é uma única cena.

Essa particularidade não ficou isenta de complicações: cada sequência teve que ser preparada com antecedência para que a câmara pudesse acompanhar todos os movimentos dos personagens, sem ter de recorrer posteriormente a cortes na montagem ou elipses temporários.

"Foi um processo muito longo porque tivemos que estudar o trajeto com os atores passo a passo, antes de montar os cenários. Tínhamos que saber a distância exata necessária para cada cena", lembra Mendes.

"Ensaiámos durante meses e meses, depois construímos os cenários, ensaiámos novamente e construímos novamente", recorda.

Desafio técnico

"Tivemos que conseguir que a câmara fizesse o que queríamos, sem nenhum esforço aparente. Isso envolveu cabos, guindastes, carros, motocicletas ...", conta, detalhando que até inventaram uma câmara para a ocasião, capaz de gravar em "buracos, trincheiras e pequenos espaços".

A ideia surgiu com a primeira cena de "007 Spectre", uma famosa sequência de vários minutos gravada no México durante a Fiesta de los Muertos.

"Mas a razão desse desafio técnico é que queria para que o público pudesse ligar-se emocionalmente com os personagens principais e ficar sempre ao seu lado, para ter a impressão de que estava com eles a cada segundo", explica.

"1917" estreia nos cinemas portugueses a 23 de janeiro.

VEJA O TRAILER.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.