Artigo

Atrás das câmaras: Mulheres querem exigir cotas de género em Hollywood

Produtoras de séries como "American Horror Story", "The Americans" e "Scandal" exigiram cotas de género para conseguir uma maior diversidade em Hollywood, onde as mulheres raramente conseguem lugares proeminentes atrás das câmaras.

"Nunca quero ter de chegar a dizer que fui contratada por ser mulher, mas talvez neste momento haja a necessidade de cotas", disse Maggie Kiley durante uma conferência organizada esta quarta-feira pelo canal FX no encontro da Television Critics Association (TCA).

"Se tiver de ser assim, que seja", completou Rachel Goldberg numa mesa redonda que reuniu sete realizadoras.

De acordo com o último relatório anual sobre a diversidade em Hollywood elaborado pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), as minorias representam 40% da população americana, mas são somente 10% dos produtores de filmes, ou séries.

O mesmo acontece com as mulheres, que representam metade da população do país mas apenas 10% das pessoas que desempenham funções atrás das câmaras.

As realizadoras reunidas no painel da FX contaram que têm de superar inúmeros obstáculos para conseguir comandar uma produção, enquanto os homens precisam apenas ter feito um curta-metragem.

"Não somos principiantes [...]. Apenas precisamos que nos deem uma oportunidade", insistiu Rachel Goldberg, enquanto homenageava o produtor de séries da FX Ryan Murphy.

"Ele confiou-me um episódio de 'American Horror Story' e isso mudou a minha vida", contou.

Em 2016, Murphy e a FX lançaram a "Half Initiative", com o objetivo de conseguir que pelo menos metade dos produtores do canal sejam mulheres ou pessoas pertencentes a minorias. Desde então, o número de mulheres diretoras na emissora passou de 12% em 2015 para 51% em 2016.

As cotas são "necessárias para que as mulheres possam obter um primeiro emprego como produtoras e também para mudar as mentalidades", considerou Meera Menon, que acaba de gravar um episódio de "Snowfall", sobre a epidemia de crack em Los Angeles.

Comentários