Artigo

Arnold Schwarzenegger quer fazer melhor que Trump... mas só na TV

O ator e ex-governador da Califórnia vai ocupar o lugar de Donald Trump em "O Aprendiz" a partir de 2 de janeiro de 2017.

Arnold Schwarzenegger vai ocupar deixado vago por Donald Trump em "O Aprendiz" ("The Apprentice" no original). "The Celebrity Apprentice", a nova edição do programa em que as celebridades têm de mostrar os seus talentos para os negócios, arranca no dia 2 na NBC.

"sou o novo anfitrião. Espero conseguir igualar o que ele [Donald Trump] fez e continuar a fazer um grande programa. Quero ter audiência um bocadinho melhores que as dele", disse o ator na apresentação do reality show que vai contar com a participação do cantor Boy George, do vocalista dos Montley Crue Vince Neil, da pugilista Laila Ali, entre outros.

Tyra Banks, o investidor milionário Warren Buffett e Steve Ballmer, ex-CEO da Microsoft, serão consultores do programa.

A MGM Television, que produz o programa, confirmou na início de dezembro que o presidente eleito dos Estados Unidos vai continuar a ser o produtor-executivo de "The Celebrity Apprentice", mesmo depois da tomada de posse de Trump a 20 de janeiro.

O estúdio recusou dar detalhes sobre a remuneração de Trump, mas a sua assessora Kellyane Conway considerou "improvável" que ele aceite um pagamento, lembrando o seu compromisso de não receber salário como presidente.

Em abril, Trump gabou-se de ter ganhado 213 milhões de dólares desde o lançamento do programa, em janeiro de 2004.
O programa que fez Donald Trump entrar nas casas dos americanos

Lançado na fase de maior popularidade dos reality shows, "O Aprendiz" foi um dos que conseguiram consolidar-se. "Penso que a sua atração vem, em parte, dessa personalidade. Qualquer que seja a sua opinião política, Donald Trump é uma personagem intrigante", destacou o professor Dom Caristi, da Universidade de Ball State.

Donald Trump

Nas primeiras imagens divulgadas pela NBC, o magnata imobiliário apresentava-se sentado na parte de trás de uma limusine com uma música clássica ao fundo. "Tornei-me no mestre da arte da negociação e fiz do nome 'Trump' uma marca da mais alta qualidade", dizia o futuro presidente dos Estados Unidos.

A cada temporada, os candidatos - dez no início - enfrentam-se na realização de projetos, em geral dentro de uma empresa, ou de uma propriedade imobiliária de Donald Trump, que elogia as atividades dos seus potenciais pupilos.

O vencedor recebia 250 mil dólares e um contrato de um ano numa das empresas de Trump, tornando-se, assim, um aprendiz de mestre. Com o passar dos anos e com a criação de "The Celebrity Apprentice", o conceito evoluiu e as celebridades tentam agora arrecadar fundos para uma obra de caridade.

Uma imagem positiva

Durante o programa, Trump costumava aparecer em momentos-chave, sobretudo na cena final de cada episódio.

Nma grande sala de reunião da Torre Trump, o bilionário recebia os candidatos e eliminava um por episódio, usando a frase que se tornou emblemática: "You're fired!" (Está demitido!). Uma cena que se assemelha ao atual "modus operandi" do presidente eleito na formação de seu gabinete: os candidatos aparecem um a um para entrevistas no "centro do mundo", a sua torre de decoração ao estilo anos 1980, em Manhattan.

O nova-iorquino dominava perfeitamente a dimensão dramática de cada cena de eliminação, pontuada por longos silêncios e expressões sérias. "Ele já tinha uma notoriedade nacional, mas isso deu-lhe um grande impulso", disse a professora Susan Murray, da Universidade de Nova Iorque. "O programa apresentou-o sob uma luz positiva", observa Dom Caristi.

Ao iniciar a campanha presidencial, em junho de 2015, Trump era uma personalidade estabelecida e reconhecida.

Para Susan Murray, na sua campanha presidencial, o empresário retomou elementos já presentes no programa de televisão: "Classificar as pessoas em categorias muito simplistas, vencedores e perdedores, questionar as pessoas individualmente e destacar as suas fraquezas".

Já habituado à imprensa e interessado pelas relações públicas, Trump beneficiou dos 11 anos à frente das câmaras do reality show para melhorar as suas capacidades de comunicação. "Penso que a sua experiência com a imprensa contribuiu para o seu sucesso nesta campanha", considerou Caristi.

Comentários