Artigo

“Sandgrains” é a realidade dos efeitos locais da pesca global

“Sandgrains” é um documentário sobre a crescente decadência do sector das pescas em Cabo Verde, motivada pelos acordos internacionais que estão a penalizar o sector a nível local.

Gabriel Manrique e Jordie Montevecchi, os produtores e directores do trabalho, deram-se conta desta realidade em 2009 e apesar de não terem nenhuma relação de familiaridade com o país, decidiram que era preciso torná-la visível ao mundo.

A história começa a ser contada por "Zé" um habitante da Ribeira da Barca, na ilha de Santiago, que volta a Cabo Verde depois de alguns anos emigrado na Suécia.

No seu regresso ao arquipélago, descobre uma realidade completamente diferente da que tinha deixado. A sua família, que antes se dedicava à pesca, passou a sobreviver apenas com o pequeno rendimento do carregamento de areia no mar para a construção civil.

As filmagens desvendam a realidade na vila piscatória da Ribeira da Barca, na ilha de Santiago. Os acordos realizados com países da União Europeia levaram à falência da pesca no local e a família de "Zé" é o exemplo representado no documentário.

Gabriel Manrique já tinha presenciado a mesma história nos anos 90 na costa oeste da Suécia, quando a sua região, que sobrevivia da pesca de bacalhau, passou pelo mesmo devido à sobrepesca.

"Quando Zé, o personagem principal de Sandgrains, me disse o que estava a acontecer na sua aldeia de Cabo Verde, vi semelhanças com a minha história pessoal, e também que a história da pesca excessiva poderia ser contada de uma forma graficamente visível, reunindo os moradores que voltaram ao mar, mas agora para apanhar areia em vez de peixe", explicou.

O projecto começou em 2009, uma altura complicada para a angariação de fundos. A retração do financiamento das instituições europeias levaram a equipa a apostar no financiamento público que se tornou no motor da realização do documentário.

A partilha começou com os familiares e amigos e à medida que o projecto começou a ganhar maior visibilidade com a chegada aos meios de comunicações, o número de financiadores individuais começou a aumentar aos poucos.

A produção do filme levou quatro anos e meio, mas as filmagens levaram cerca de três meses.Além de toda a experiência marcante da vida dos pescadores da vila, Gabriel Manrique afirma que outras situações também o alertaram para esta realidade que desconhecia.

"Chocou-me bastante descobrir que a pesca e comércio de barbatana de tubarão tem um impacto tão negativo na pesca artesanal e também descobrir como são realizados os acordos internacionais com os países do terceiro mundo e os interesses à volta deles", contou.

Gabriel Manrique acredita no poder de mudar esta realidade com a divulgação deste documentário junto de quem é mais afectado.

"Qualquer pequena ajuda é caminho para a mudança. Conseguimos que a realidade da pesca cabo-verdiana chegasse à mesa dos políticos do país e também da América do Norte e da Europa e este tema já foi debatido na plenária do Parlamento Europeu", acrescentou.

“Sandgrains” já foi lançado a nível internacional, mas apesar de falar da realidade que se vive nas aldeias piscatórias nacionais, ainda não chegou aos cinemas de Cabo Verde. "Obviamente queremos levar o documentário a Cabo Verde, mas até ao momento ainda não conseguimos ter alguma confirmação para o efeito", disse Gabriel Manrique.

A produção foi financiada pelo público e por mais 191 produtores associados que conseguiram juntar 12.965 libras. O filme está disponível para download pago no sitehttp://sandgrains.org/

São pequenos passos que esperam construir um caminho. Sandgrains fala de uma realidade que está a destruir não só a pesca, mas também a vida das populações costeiras.

Comentários