Artigo

Retrospectiva: Extinção de instituições e projetos tidos como “vazios e decorativos” marcam o 2016

Ballet Nacional, Circo Nacional, Teatro Nacional e Conservatório Nacional, curadorias, Ipericentro, Fórum Cinemídia e Fórum do Carnaval, são alguns dos projetos extintos.

Ministro da Cultura

créditos: Expresso das Ilhas

O ano cultural em Cabo Verde ficou marcado pela extinção de instituições e projetos justificada pelo novo ministro titular pelo facto de serem estruturas “vazias e decorativas” e que não fazia sentido estar sob sua tutela.

Ballet Nacional, Circo Nacional, Teatro Nacional e Conservatório Nacional, curadorias, Ipericentro, Fórum Cinemídia e Fórum do Carnaval, são alguns dos projetos extintos que, segundo Abraão Vicente, “terão de encontrar outras formas de financiamento que não o Orçamento do Estado”.

Na altura, o titular da pasta da Cultura e Indústrias Criativas afirmou que, apesar de muito “barulho” que se fez à volta das extinções, todas as decisões foram aprovadas pelo Conselho de Ministros.

Com efeito, a nova tutela financiou projectos, assinou vários protocolos e anunciou alguns projectos, com ênfase na criação da lei que cobra e regula direitos autorias, bolsa de acesso à cultura e o lançamento de editais para financiamentos do Carnaval, resgate da Tabanka e de festas de romarias. O URDI - Fórum Permanente de Artesanato e Design é também um dos programas criados nesta nona legislatura, através do Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD).

Em fevereiro, a cidade da Paria recebeu o VI Encontro de Escritores de Língua Portuguesa, com participação de todos os estados da CPLP, promovido pela União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

Também foi realizada a quarta edição do Prémio Nacional de Arquitectura (PNA), que entregou duas menções honrosas em vez de indicar um vencedor no evento, que teve lugar na cidade de Nova Sintra, ilha Brava.

A capital cabo-verdiana também foi abrilhantada, com a Feira do Livro de Poesia e Banda Desenhada que regressou à capital, em Fevereiro, após três anos com uma exposição todos os sábados durante o ano todo.

Já o mês de março foi marcado pela quarta edição do “Grito Rock Praia 2016”, que homenageou Sana Pepper, considerado “pai do rock cabo-verdiano”, evento que aconteceu entre 29 de Março e 09 de Abril.

A IV Atlantic Music Expo (AME), que aconteceu de 11 a 14 de abril, na Cidade da Praia contou com participação de artistas nacionais residentes e radicados na diáspora e internacionais, uma iniciativa do Ministério da Cultura, em co-produção com Word Music Expo (Womex), que acolhe, anualmente, centenas de agentes culturais de cerca de 30 países.

O evento foi antecedido pela oitava edição do Krioll Jazz Festival, uma iniciativa da Câmara Municipal da Praia, em parceria com a Harmonia Lda. A edição deste anohomenageou o pianistasanvicentino Chico Serra, e juntou artistas nacionais e internacionais do jazz crioulo.

A 24ª edição do Festival da Gamboa aconteceu nos dias 20, 21 e 22 de maio. O certame contou com a participação de 15 artistas sendo 14 nacionais e um internacional, Os Kassav.

Nos Cabo Verde Music Awards 2016, a grande vencedora foi Elida Almeida que levou os prémios de álbum do ano e composição inédita e mais um galardão extra-concurso prémio Sapo Awards (vídeos mais votados na Internet).

O mês de julho, em termos culturais, foi marcado pela segunda edição da gala “Somos Cabo Verde - Os Melhores do Ano”, realizada no dia 01, no âmbito das comemorações do aniversário da Independência Nacional, sob a temática “O Futuro”.

A ilha de São Vicente recebeu em agosto a 32ª edição do Festival Internacional de Música da Baía das Gatas, que teve como cabeças-de-cartaz a banda de reggae Gentleman e o cantor angolano C4 Pedro.

Outubro foi um mês polémico, marcado pela anulação do concurso da logomarca da morna a Património Cultural Imaterial da Humanidade, depois da divulgação do vencedor pelo Ministério da Cultura e Indústrias Criativas, por indícios de plágio.

Ainda neste mês, o grupo cabo-verdiano “Mon na Roda” conquistou o terceiro lugar no Campeonato de Dança em Cadeira de Rodas (IPC Wheelchair Dance Sport) em Bélgica no estilo “Freestyle”, com coreografia do Luiz Passos, Miriam Medina e Flávio Gonçalves.

O escritor cabo-verdiano José Luís Tavares venceu a primeira edição do “Prémio BCA de Literatura”, com a obra inédita “Rua Antes do Céu”, ao qual se candidataram 33 escritores, no âmbito da comemoração dos três anos da Academia Cabo-verdiana de Letras (ACL).

Cabo Verde participou ainda na WOMEX, “maior feira da música do mundo”, em Santiago Compostela, Espanha entre 19 a 23 de outubro, colocando tónica na candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade.

A revista Claridade assinalou 80 anos da sua publicação com reedição em versão fac-similada de 500 exemplares da colecção completa (nove revistas).

O Campo de Concentração de Tarrafal passou a constar na lista indicativa da UNESCO como património a ser elevado à categoria de Património Mundial da Humanidade.

De destacar ainda neste mês a XXIV edição do festival “Sete Sóis Sete Luas”, que aconteceu entre 30 de outubro e 05 de novembro, nas ilhas do Maio, Brava, Santo Antão, Fogo e Santiago.

No mês de novembro, a Câmara Municipal da Praia, o Ministério da Cultura, a Associação de Cineastas de Cabo Verde e TxanFilm & Associates organizaram, nos dias 23 a 27, a terceira edição do Festival Internacional de Cinema da Praia “Plateau”, que este ano não teve a versão competitiva, mas sim um “best off” das duas primeiras edições.

Ainda neste mês, Cabo Verde recebeu uma delegação norte-americana composta pelo violonista, cantor, acordeonista e compositor Cedric Watson, e pelo multi-instrumentistas Danny Knicely, para “explorar e partilhar” a cultura americana e também descobrir a cultura cabo-verdiana.

A nível de lançamentos musicais, Mika Mendes traz “Visão”, dois anos depois de "Timeless", Pilon lança “Nos Mininos”, o segundo álbum a solo 25 anos depois de “Tradison”, Bob Mascarenhas com “Rakodja”, cinco anos depois de “Rapacinhu Lantuna”, Dynamo com “Mirror”, Beto Duarte com “Nha alma Gemea” e Ceuzany com “Ilha d´melodia”.

Ainda no que concerne a música, Djim Job lança o seu segundo álbum “Amor e Música” depois de quase 20 anos sem gravar,Loony Johnson apresenta “Belive”, Fantcha “Nos Caminhada” e Tété Alhinho “Mornas ao Piano”.

Além de vários singles lançados ao longo deste ano prestes a chegar ao fim, o destaque vai também, para a reedição, 20 anos depois, do único álbum de Alcides Nacimento, filho do falecido artista Bana “Pensamento”.

Por outro lado, é de registar o regresso ao palco do grupo musical Bulimundo, após décadas de ausência, marcado por vários espectáculos dentro e fora do país.

Aa cidades da Praia e do Mindelo receberam o maior navio flutuante do mundo Logos Hope, nos dias 07 a 09 e 10 a 13 de novembro, respectivamente, sendo que na capital foram mais de 41 mil visitantes e no Mindelo perto de 30 mil.

Em relação a lançamento de obras destaca-se o livro-entrevista sobre Onésimo Silveira, de José Lopes Vicente, intitulado “Onésimo Silveira, Uma vida, um mar de histórias”, Corsino Tolentino “Cabo Verde: janelas de África”, “Regresso ao Paraíso” de Germano Almeida e “Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena: A Outra Face do Homem”, escrito por Márcia Couto.

Ainda o primeiro livro de Dicionário de Crioulo-Inglês "The Cape Verdean Creole - English Dictionary" (Dicionário Crioulo-Inglês) do cabo-verdiano Manuel da Luz Gonçalves, pioneiro do ensino bilingue Crioulo-Inglês nos Estados Unidos, "Cabo Verde & Música - Dicionário de Personagens" da jornalista Gláucia Nogueira e a reedição do livro “O Escravo” de José Evaristo.

Yara Santos traz seu segundo livro sobre relações públicas “Conversa aberta com um jovem Relações Públicas", Hélder Fortes com "A queda do Muro", Fátima Fernandes com “Percursos Identitários e Estéticos na Literatura Cabo-verdiana Contemporânea”, “A palavra e o verbo” e “Prosas Soltas” de Fátima Bettencout, também foram destaque a nível da literatura.

O coronel reformado das Forças Armadas António Carlos Tavares apresenta obra literária “Deambulando pelos Labirintos da Memória” e o jornalista e professor universitário José Mário Correia lança o seu segundo livro “Nas rotas dos Tubarões Azuis – 40 anos de História da Selecção Nacional”, num ano em que Cabo Verde perde uma das grandes personalidades da literatura, o escritor e cronista Jorge Miranda Alfama.

Na dança, a Cidade da Praia foi palco da III Gala de Mostra de Dança e do primeiro festival internacional de dança contemporânea, denominado “Kontornu”, promovidos pelo Djam Projects, que assinalou, este ano, o seu segundo aniversário, com a estreia da peça “Boilimundo” e ainda o Hip Hop Day, um evento musical de batalhas de Freestyle.

No mês de Dezembro, a Associação Movimento Hip-Hop (MH2CV), fundada em 2009, apresentou na capital cabo-verdiana, as linhas gerais do programa para 2017 composto por cinco projectos com o objectivo de combater a delinquência.

Em termos de programação cultural, o ano terminou com a realização da sexta edição da iniciativa lúdico-cultural Noite Branca, na cidade da Praia, que decorreu entre 16 e 17 de dezembro.

Comentários