Artigo

Grito Rock Praia chega à 4ª edição com aposta na formação e bandas internacionais

4ª edição arranca hoje na Praia

A quarta edição do Grito Rock Praia arranca esta terça-feira,29, e a organização convocou a imprensa para dar a conhecer o programa deste ano assim como apresentar algumas novidades. Grito Rock Praia acontece de 29 de março a 11 de abril.

Na conferência de imprensa, que aconteceu no Palácio da Cultura Ildo Lobo, estiveram presentes Ricardo Teixeira, rosto da ArtiKul CJ, um dos organizadores do evento, César Freitas, um dos fundadores do Grito Rock Praia e João Paulo Brito, Diretor Nacional das Artes em representação do ministério da Cultura.

“Esta edição foi planeada com uma programação com forte imagem, educativa, tecnológica, música e arte onde procuramos o reconhecimento do programa como instrumento de projeção artística nacional”, começou por explicar Ricardo Teixeira.

Programas educativos, formações, oficinas, tertúlias, workshops, teatro, Rabidança, Mini Grito - voltado para escolas-, são algumas das atividades que fazem parte da programação desses quinze dias em que se irá respirar rock na capital. O ponto alto acontece no dia 9 de abril, sábado, com o festival Grito Rock, de entrada gratuita, na Pracinha da Escola Grande, no Plateau.

César Freitas salientou o facto desta edição ter chegado à Europa com a vinda da banda “Tales for the Unspoken” de Coimbra, Portugal. O festival irá contar também com cinco bandas nacionais - “Primitive” (Praia), “Curse the Fate” (Praia),“The Hotness Comspiracy” (Mindelo), “Kuby & Jones” (Praia) e “Dinamikuz” (Praia) – e quatro bandas do Brasil: “Flashover” (Brasília), “Thrunda” (Fortaleza), “Caike Falcão” (Fortaleza) e “Mary Stuard” (Brasília).

“Desta vez vamos ter mais potência, em termos de som, da estrutura em si, o palco será maior, outro layout … é tudo diferente para melhor. Cabo Verde tem espaço para todos os tipos de música e não devemos criar barreiras”, acrescenta César Freitas que espera que a população compareça e participe em força.

João Paulo Brito, Diretor Nacional das Artes, felicitou a organização pelo esforço e o trabalho desenvolvido de modo a pôr de pé este certame e explicou que foi firmado um protocolo entre o ArtiKul CJ e o ministério da Cultura que viabiliza pelos próximos anos este evento. “Auguramos muitos sucessos e esperamos que fique o desafio de impulsionar este festival em outras partes do país”, acrescentou.

Esta edição homenageia Sana Pepper, considerado pela organização como “um pai do rock cabo-verdiano”, “que trouxe para Cabo Verde o movimento rock”.

Ricardo Teixeira, a finalizar, realçou o facto de Cabo Verde ter sido pioneiro na realização do Grito Rock em África, festival que já se encontra presente em cerca de 40 países.

Em Cabo Verde, já existe também o Grito Rock Mosteiros, na ilha do Fogo, que segue na sua 2ª edição.

No dia 9, dia do festival, as atividades têm início às 14 horas com várias atividades e a seguir, às 16h, com atuação da primeira banda em palco. Haverá transmissão 'livestream' do festival através de uma parceira com o Ipericentro.

Comentários