Artigo

Edil praiense destaca património musical para justificar candidatura da Praia à rede de “cidades criativas”

A Rede de Cidades Criativas, que reúne, atualmente, 116 cidades de 54 países, foi criada em 2004.

O edil praiense destacou hoje o património musical da cidade e a “vivência única e inovadora” que a música proporciona ao concelho como “alicerces fundamentais” para a candidatura à Rede de Cidades Criativas da Unesco.

Óscar Santos, que falava na abertura do encontro de apresentação da candidatura da Cidade da Praia à Rede Criativa da Unesco, no tema música, lembrou que a entrada da Praia na rede será o reconhecimento do investimento que vem sendo feito no setor da cultura ao longo dos anos.

“A música está em todo o lado, e, acima de tudo, envolve pessoas através de diferentes ritmos como a morna, coladeira, funaná, finançon, tabanka, batuque e, ainda, cotxi pó, numa cidade onde se promove, em média, cerca de 100 eventos musicais por ano e estima-se ser um negócio com grande impacto na vida económica e turística da mesma”, salientou.

E parafraseando o poeta, a Praia é “uma cidade de música e de músicos”, o autarca recordou que esta é uma candidatura dos músicos e dos agentes culturais e convidou a todos a se unirem para que, em finais de outubro, Praia possa ser membro efetivo da Rede de Cidades Criativas da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Acrescentou ainda, que o objetivo é promover a cooperação internacional entre as cidades comprometidas em investir na criatividade como veículo para o desenvolvimento sustentável, inclusão social e aumento da influência da música no mundo.

Para Óscar Santos, trata-se de uma ferramenta extraordinária para a cooperação, pois, “reflete os compromissos da autarquia e apoia o potencial criativo inovador para ampliar as vias de um desenvolvimento sustentável”.

“Ao se unir à rede, a Cidade da Praia compromete-se a colaborar e a desenvolver parcerias com vista a promoção da criatividade de indústrias culturais, a compartilhar as melhores práticas e a fortalecer a participação de todos os agentes na vida cultural da nossa cidade”, reforçou.

E para reforçar a candidatura da Cidade da Praia, o autarca descreveu a música como um dos grandes eventos da cidade, destacando a realização do Festival da Gamboa, Festi Jazz, Noite Branca, Carnaval, Grito Rock, AME (Atlantic Music Expo), e outros, como responsáveis pela reunião de artistas que partilham qualidade, paixão e diversidade.

A representante da Unesco em Cabo Verde, Gloria Ribeiro, que explicou os benefícios de pertencer a Rede de Cidades Criativas, saudou a iniciativa e disse que a câmara e os seus parceiros estão a concluir um dossiê consistente, que reflete a importância da música para a felicidade dos que nesta cidade vivem. Já o presidente do conselho de administração da CVTelecom, patrocinadora da candidatura, José Livramento, enalteceu o percurso da Praia que hoje caracteriza toda a dinâmica que os diversos cidadãos do mundo da cultura deram a este evento.

Durante o encontro, que reuniu técnicos, músicos e agentes musicais, foi debatido em quatro painéis a “Iniciação e prática artístico-musical: o papel das escolas e espaços de formação e desenvolvimento cultural e musical na Praia”; “Criação, produção e divulgação cultural e musical na Praia”; “Praia cidade criativa… Pistas para o futuro” e “A candidatura da Cidade da Praia – discussão do plano de atividades a propor para o futuro”.

A candidatura de Cidade da Praia à rede vai ser apresentada a 16 de junho, e assentou, entre outros fatores, no património musical e na vivencia única e inovadora que a música proporciona ao concelho da Praia nos últimos anos.

A Rede de Cidades Criativas, que reúne, atualmente, 116 cidades de 54 países, foi criada em 2004, com a finalidade de promover a cooperação internacional entre as cidades que reconhecem a criatividade como uma direção estratégica e um impulsionador para a regeneração e o desenvolvimento urbano sustentável, assim como promover o desenvolvimento social, económico e cultural.

Comentários