Artigo

Carlos Lopes lança primeiro álbum em Cabo Verde: “Tudo mudou depois do AME 2016”

O álbum do músico foi gravado em 2014 mas só em finais de 2017 que Carlos Lopes conseguiu apresentar o CD publicamente.

CD "Kanta pa Skece"

créditos: CM

Três anos depois de gravar o álbum de estreia, Carlos Lopes vai finalmente lançar o trabalho em Cabo Verde. Segundo o músico cabo-verdiano residente em Paris, a grande viragem na sua carreira deu-se com o AME 2016.

Natural de Santiago, Carlos Lopes vive em França desde os 10 anos e dedica-se à música desde a adolescência. Formou um grupo de RnB, teve aulas de canto, para depois aos 18 anos entrar para o Conservatório de Música, primeiro para ter as aulas de canto, depois para aprender a tocar piano.

Chegou a vencer o casting do programa “Estrela Pop” realizado em Paris (em 2012).

Desde 2011 que entrou para o Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris, instituição que frequentou e onde mais tarde deu aulas. Parou de lecionar em 2017, para dedicar mais tempo à sua carreira musical.

Em 2014 já tinha o seu primeiro álbum, com 10 temas originais em crioulo, pronto para lançar no mercado. Mas como em tudo na vida, “nem sempre as coisas correm conforme planeado”.

“Nessa altura tinha uma produtora, mas não tinha ainda uma editora (discográfica)”, explica e acrescenta que a sua carreira ganhou novo ritmo depois da apresentação de um showcase no Atlantic Music Expo (AME) 2016, que acontece anualmente na cidade da Praia em abril.

O AME 2016 foi o primeiro mercado de música em que Carlos Lopes participou. Já tinha enviado a candidatura para a edição de 2015 mas não foi selecionado.

“Tudo mudou depois do AME 2016”, afirma. “Foi quando ganhei consciência sobre todo o trabalho que é preciso fazer enquanto artista. Podes ter um disco mas se não fizeres o trabalho de divulgação, por exemplo, ninguém vai conhecer o teu trabalho”.

Foi também durante o evento que ganhou mais consciência sobre a importância da divulgação do seu trabalho em Cabo Verde, muito por conta de um workshop protagonizado pelo produtor José (Djô) da Silva.

“Pensei que viria a Cabo Verde só para a reforma – para abrir uma escola de música, dar aulas. Afinal passei a vir cá várias vezes ao ano”, diz em jeito de brincadeira.

O AME abriu-lhe as portas para a participação noutro mercado o “Visa for Music” em 2016, bem como para o Womex 2017, com o credenciamento do ministério da Cultura de Cabo Verde, onde conheceu a sua atual manager.

Só em 2017, o músico, atualmente com 33 anos, participou em três eventos de “world music” na Europa: Les Nuits Guitares, onde fez a abertura do concerto da cantora Calypso Rose; no festival Afro-Fusion, em Suíça, e ainda na abertura do show da cantora do Mali, vencedora de um Grammy, Oumou Sangare, no festival Villes des Musiques du Monde.

O CD “Kanta pa Skece” já foi apresentado em Paris, a 1 de dezembro, depois na cidade de Toulouse, e agora chegou a vez da terra natal do compositor e intérprete receber o lançamento. Em França, o músico diz que o feedback do público foi positivo.

Depois da apresentação do primeiro álbum que terá lugar a 19 de janeiro, no Palácio da Cultura Ildo Lobo (PCIL), Carlos Lopes pretende passar algum tempo no arquipélago. Para 2018, planeia igualmente lançar o álbum em Portugal, bem como nos EUA.

No show de lançamento, o músico conta com a presença de outros artistas, mas acima de tudo de amigos, como Rui Cruz, Zé Rui e ainda Tcheka, com o qual partilhou o palco em 2017, durante um show em Paris.

Antes do lançamento no PCIL, o cantor vai estar em palco no Festival de Santo Amaro, no dia 14 de janeiro, domingo. Trata-se do último dia do certame que tem lugar em Tarrafal de Santiago e que nesse dia é de acesso gratuito e conta com a apresentação de cantores de música mais tradicional.

Dois temas do álbum já têm videoclipes lançados. "Mamãe" e "Si" (veja em baixo).

Novo trabalho já em preparação

Em 2019, Carlos Lopes conta lançar um novo álbum. “Será um trabalho com mais misturas onde vou arriscar mais”. O CD deve intitular-se “Memória Azul” e o músico diz que já conta com pelo menos seis temas para o novo trabalho.

Artigo do parceiro

SAPO Muzika

Comentários