Artigo

Ana Maia: “A essência do AME não morreu e pretendemos continuar com o mesmo formato”

Foi na manhã desta quarta-feira, 15, apresentado publicamente o grupo de trabalho, constituído por privados, que passa a assumir a realização do Atlantic Music Expo (AME) em 2018 em parceria com a Câmara Municipal da Praia. O certame acontecerá de 17 a 19 de abril.

Ana Maia, que administrou as cinco edições do AME, aceitou o convite da recém criada organização que irá levar avante a próxima edição do evento, para se associar como parceira.

Na conferência de imprensa realizada esta quarta feira na Praia, falou do que já está a ser feito para a 6ª edição. “A essência do AME não morreu e pretendemos continuar com o mesmo formato. O único aspeto a que não conseguiremos dar continuidade nesta edição é à feira devido aos custos do evento”, começa por explicar.

Para a edição de 2018, conta que escolheram alocar uma conferência de manhã e um workshop à tarde “dando oportunidade à participação geral de todos que estiverem interessados”.

Estão ainda previstos 20 showcases onde 13 destes serão para artistas nacionais e 7 para artistas internacionais.

O Atlantic Music Expo ainda não tem site atualizado mas Ana Maia assegura que têm recebido inúmeros contactos internacionais e que estão a trabalhar para que no dia 27 de novembro já tenham o site a funcionar e as inscrições abertas. “ A ideia é conseguirmos ter as inscrições para artistas internacionais abertas até o dia 31 de dezembro”.

Quanto aos artistas nacionais pretende-se que o prazo das inscrições seja mais alargado e estas estarão abertas até 30 de janeiro.

Em 2018 o AME acontecerá de 17 a 19 de abril e irá anteceder, como habitualmente, o Kriol Jazz Festival que arranca no dia 20.

Para a abertura a ideia é continuar a utilizar-se a Praça Luís de Camões no Platô mas a organização ainda não tem definido o espaço para as conferências e os day cases que nos anos anteriores tiveram lugar no Palácio da Cultura Ildo Lobo.

Segundo Ana Maia, também devido aos custos, a associação não conseguirá trazer, por conta do AME, mais do que vinte profissionais internacionais. “Temos previsto até o momento conseguir vinte artistas internacionais como convidados e tentar chegar a mais vinte profissionais através de parcerias”, diz.

A organização do AME passa a ser assumida por Augusto (Gugas) Veiga, enquanto Diretor Geral, que irá trabalhar juntamente com mais 9 empresas privadas (CJ Artikul, O2, Artemédia, Smile Eventos, DEventos, Harmonia, Sigui Sabura, Staff Promo, Ritmo e Som).

Leia ainda: Gugas Veiga sobre o AME: “Está claro que a comunicação do Ministério (da Cultura) falhou redondamente”

Comentários