Artigo

Elida Almeida: “Espero que gostem, saboreiem e que viajem comigo a cada interpretação”

Depois de ter feito, em primeira mão, a apresentação do EP “Djunta Kudjer” em Santa Cruz, Elida Almeida presenteou a capital com o seu novo trabalho esta quinta-feira, 23, no Praia Shopping.

créditos: Cláudia Marques | SAPO

A apresentação informal teve lugar no Praia Shopping no final da tarde seguida de uma sessão de autógrafos e venda do EP.

Elida Almeida interpretou os temas de “Djunta Kudjer” num show - como a própria o classificou - “curto mas caloroso” que durou cerca de meia hora. A jovem fez-se acompanhar em palco, como habitualmente, por Hernani Almeida, Nelly Cruz, Magic Santiago e Diego Gomes.

“Foi espetacular, um público quente apesar de não conhecerem ainda tão bem estas músicas novas. Foi uma receção muito bonita, calorosa e gostei muito, diverti-me imenso. Em Santa Cruz também foi muito bom e claro, em casa, tem outro sabor. Foi muito bom ver todos os amigos, pessoas com quem cresci, a aplaudir o meu trabalho, a transmitir-me força”, recordou a artista.

A apresentação ficou marcada pela presença notória de muitas crianças, acompanhadas pelos pais, que vibraram na primeira fila, subiram ao palco durante o último tema, interagiram com a cantora e no final não perderam a oportunidade de pedir um autógrafo ou tirar uma fotografia. “Todos nós gostamos de crianças e graças a Deus, desde sempre, abraçaram-me. Em todos os meus concertos há sempre crianças e sempre deram-me muito amor, carinho e isso inspira-me imenso e ao mesmo tempo aconchega-me de certa forma pela falta que sinto por não estar sempre com o meu filho”, confessou no final ao SAPO.

“Txika”, o primeiro single, foi um dos temas que mais contou com a ajuda do público que no final pediu mais temas.

“Djunta Kudjer” tem sete faixas, a maioria da autoria de Elida Almeida: “Txika”, “Di mi ku Bo”,"Bersu d'Oru" que tem 2 versões, uma das quais numa sonoridade de tabanka, "Forti Dor", "Era Mintira" e "Discriminason".

“Continuo na minha linha, tenho o meu povo como minha inspiração, tudo o que vai acontecendo no meu dia-a-dia, à minha volta, vou transcrevendo em forma de música. É um EP que vem anunciar o novo disco que chega no final do ano com outras músicas. Tem Cabo Verde lá dentro. Mesmo em termos de estilos … desta vez fiz forte aposta na tabanka, um estilo que precisa muito de ser promovido lá fora porque muitos ainda não conhecem”, explica.

“Djunta Kudjer” já se encontra à venda e a próxima apresentação da artista em Cabo Verde será na nona edição do Kriol Jazz Festival no dia 15 de abril. Tem entretanto outros shows agendados em países como Portugal, Alemanha, Marrocos e Holanda.

“Espero que gostem, que saboreiem e que viajem comigo a cada interpretação e, acima de tudo, entendam a minha mensagem em cada um dos temas”, terminou.

Veja como foi a apresentação:

Comentários