Artigo

Santo Antão: Porta-voz do Tarrafal Sete Sóis Orquestra destaca adesão do público

O porta-voz do grupo Tarrafal Sete Sóis Orquestra, Dani Fonseca, disse hoje, à Inforpress, que a adesão do público durante a atuação do grupo no segundo dia do festival Sete Sóis Sete Luas “foi espetacular”.

Tarrafal Sete Sóis Orquestra

créditos: Inforpress

“Esta é a nossa primeira saída no âmbito do Sete Sóis Sete Luas, a reação do público foi espetacular e nós divertimos imenso no palco”, disse o representante do grupo que viajou do norte da ilha de Santiago, adiantando que a música do grupo “foi bem recebida”.

“O Tarrafal Sete Sóis Orquestra foi criado pela organização do Sete Sóis Sete Luas para dar oportunidade aos jovens músicos do Tarrafal que nunca tiveram outras oportunidades”, explicou Dani Fonseca, manifestando-se “muito satisfeito com a actuação na Ribeira Grande”.

Quanto ao futuro, Fonseca não concretiza qualquer projeto para o futuro próximo assumindo apenas que o projeto atual é apenas “tocar” lá onde forem chamados.

Esta é a XXV edição (bodas de prata) ribeira-grandense do festival Sete Sóis Sete Luas cujo arranque aconteceu na quinta-feira, 02, com uma “noite cultural” que integrou música, dança e teatro, no terreiro da cidade da Ribeira Grande, em que o desfile de vozes infantis foi destaque.

No segundo dia, além da realização de um workshop musical, que decorreu nas instalações da Escola de Música, foi a vez dos Ritmos do Paul (Paul), do Sete Sóis Tarrafal Orquestra (Santiago) e dos artistas Dilvio & Dulce (Porto Novo), abrilhantarem a noite, no espaço aberto do Centrum Sete Sóis Sete Luas.

O “dia forte” será hoje, no palco principal, em que participarão os grupos Levantá espancá (Ribeira Grande), Santo Antão Sete Sóis Band (Ribeira Grande), Realejo (Portugal), Marisa Santos & Lulú (ilha do Sal), Pedro Rocha (Holanda), Ailine Lopes & Titita (Santo Antão) e Élida Almeida (Santiago).

Comentários