Artigo

Poetas de 50 países condenam discriminação contra emigrantes e muçulmanos

Poetas de 50 países condenaram no sábado a discriminação contra emigrantes e muçulmanos, no encerramento do XIII Festival Internacional de Poesia de Granada, realizado na Nicarágua.

"Condenamos toda a forma de discriminação contra os emigrantes, os refugiados e os muçulmanos que está a acontecer em vários países do mundo", disseram os poetas, numa resolução lida pela poetisa espanhola Yolanda Castaño.

Os autores, num total de 91, também rejeitaram a “construção de muros nas fronteiras”, por os considerarem “ultrajantes para a dignidade humana” e “ineficientes”.

Na sua resolução, os poetas aplaudiram os acordos de paz da Colômbia e condenaram qualquer forma de golpe de estado, violação da democracia e manipulação política contra os povos, assim como a violência contra as mulheres, a impunidade, a violação dos direitos humanos e a corrupção.

Também instaram os governos a nível mundial a zelarem pelo meio ambiente e a protegerem os recursos naturais.

O Festival Internacional de Poesia de Granada é um dos mais importantes da América Central e América Latina e atrai anualmente cerca de 40.000 turistas.

Comentários