Artigo

Ministro: Festival Literário Morabeza é um evento da promoção da cultura e da literatura cabo-verdiana

Abraão Vicente fez esta afirmação à margem da assinatura de um protocolo com o “parceiro gold” do Festival Morabeza, a CVTelecom.

créditos: Inforpress

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, assegurou hoje, na cidade da Praia, que o Festival Literário Morabeza é um evento da promoção da cultura e da literatura cabo-verdiana.

Abraão Vicente fez esta afirmação à margem da assinatura de um protocolo com o “parceiro gold” do Festival Morabeza, a CVTelecom, que vai disponibilizar sete mil contos para a materialização do certame, que acontece de 30 de outubro a 05 de novembro próximo, na cidade da Praia.

Ao contrário do que o escritor cabo-verdiano José Luíz Tavares dissera em declarações à Inforpress, de que teve conhecimento que “é um festival para promover marcas, para trazer turistas”, o governante assegurou, durante a sua intervenção e sem direito a questões, que o Festival Literário Morabeza é um evento de “política pública para a cultura e para a literatura”.

“Isso mostra o engajamento e a sintonia dos privados com as políticas públicas de promoção da cultura e para a cultura. Faz com que sim, este evento seja um evento de marcas cabo-verdianas. Não há registo na história de um evento com essa dimensão de financiamento e do engajamento do Estado e do privado para a promoção apenas da literatura”, disse, salientando que a política pública para a literatura “estava desativada há anos no país”.

A morabeza, indicou Abraão Vicente, surge para promover a literatura dos autores cabo-verdianos, mas também de uma forte ligação de Cabo Verde com a literatura-mundo, do mundo e a literatura lusófona.

Apesar do plano de atividades e da lista dos participantes ainda não estarem encerrados, o ministro indicou que, nesta primeira edição, vão incluir “grandes poetas, dramaturgos e ilustrados” e fazer com que, durante uma semana, à literatura “more em todos os aspetos e instituições da República”.

Abraão Vicente informou que os escritores cabo-verdianos Arménio Vieira e Germano Almeida vão conceder entrevistas à revista “Monocle”, para falar sobre o Festival Literário Morabeza.

“Este é, de facto, uma marca que nasce e nasce morabeza para mostrar que temos arte de bem receber (…). Há quem vem da diáspora somente para assistir o evento e fazer com que os autores nacionais tenham o devido destaque de acordo com a sua disponibilidade e vontade de participar no evento”, sublinhou.

Por sua vez, o presidente do conselho da administração da CVTelecom, José Livramento, disse que a empresa de telecomunicações abraçou este projeto, pois ela faz parte da cultura cabo-verdiana e, por isso, estará sempre presente para contribuir para projeto que visa o desenvolvimento do país.

O Festival Literário Morabeza, financiado em mais de 90 por cento por parceiros privados, conta ainda com o envolvimento das Cooperações Portuguesa, Espanhola, Brasileira e luxemburguesa.

Comentários