Artigo

Ministério da Cultura vai apoiar projetos que tenham um forte enraizamento nas comunidades

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, disse hoje, na localidade de São Francisco, que o seu ministério não apoia projetos que não tenham um forte enraizamento nas comunidades.

créditos: RTC

Abração Vicente fez essa afirmação à imprensa antes de um encontro com a comunidade artística de São Francisco, para através de uma conversa aberta conhecer os projetos em carteira e os que já estão desenvolvidos no sector cultural.

“São Francisco tem histórico de grandes figuras que saem daqui, como Codé de Dona, mas a nossa preocupação é saber dos desafios e ambições dos jovens de São Francisco e tentar, através da população local, conseguir apoia-los e construir projetos que sejam sustentável”, esclareceu o ministro.

Acrescentou, ainda, que o principal foco é auscultar, mas também apresentar as linhas mestras do Ministério da Cultura para dar apoio e ser parceiro em alguns projectos que podem sair daquela comunidade.

Essas linhas mestras, segundo o ministro, é que a cultura tem que ser um sector que cria e gera emprego com qualidade e de ajuda profissionalizada às profissões ligadas à arte, no sentido de multiplicar e ajudar os talentos locais a se mostrarem nos palcos nacionais internacionais.

“Não podemos impor projetos do Ministério na comunidade, o que queremos é beber das experiências locais e tentar perceber o que podemos empoderar e dar força”, explicou o responsável para pasta da Cultura.

O músico, Letício Vaz, filho de Codé de Dona, e membro da Associação para Desenvolvimento de São Francisco, enalteceu este encontro e espera que doravante mais projetos culturais sejam empreendidos na comunidade.

Durante este encontro, Abrão Vicente visitou uma exposição de bijuterias e artigos diversos confecionados por uma jovem da Comunidade de Agostinho Alves e fez uma deslocação à gruta de São Francisco, que, segundo ministro, pode dar origem a um projeto empreendedor.

Comentários