Artigo

II edição do Kontornu reúne vários dançarinos e estilos no mesmo palco em Assomada

Evento aconteceu na noite de sábado em Santa Catarina.

Festival Kontornu 2016 | foto@SAPO

A II edição do festival Internacional da dança contemporânea, Kontornu, reuniu na noite de sábado, dia 28, vários dançarinos na praça de Assomada, em Santa Catarina , para prestigiar este estilo de dança que aos pouco invade os palcos de Cabo verde.

Apesar de ser um festival de dança contemporânea, a organização iniciou a sua programação dando oportunidade aos jovens dançarinos de Santa Catarina e do Tarrafal para demonstrarem a sua arte, através da dança, com a atuação, primeiro, dos os grupos Djy Be Force, BSB e Fidjus di Bibinha Cabral.

Dando continuidade às atuações, o grupo Mon na Roda, da Cidade da Praia, mais uma vez subiu ao palco para demonstrar que tudo é possível através da arte de dançar.

Em seguida , chega Ildo Rodrigues , de Santo Antão, que retratou a história de vida até a morte, através da dança contemporânea. “Kontornu deve continuar, o governo deve apoiar mais para que a dança possa caminhar para a frente, porque nós somos escravos da dança e da arte”, disse o dançarino Ildo Rodrigues.

Para os jovens dançarinos que participam pela primeira vez neste festival, foi uma boa iniciativa levar este estilo de dança para o público, porque, para além de demostrarem a sua dança, estão a ganhar experiências com os outros artistas.

Pelo segundo ano consecutivo, o brasileiro Gerson Rodrigues e Silva dá o seu contributo, desta feita na cidade de Assomada, para partilhar a pesquisa feita sobre a dança contemporânea do Ceará com os santa-catarinenses.

“Uma das grandes bases e técnicas que nós utilizamos é a base da dança afro-brasileira. Então, somos irmãos afrodescendentes e estamos numa tentativas constantes de edificar danças que falam sobre a gente, sobre as nossas raízes, nossas lutas histórias e nossas crenças”, disse Gerson Rodrigues.

Segundo a organização, apesar de serem uma equipa voluntária, constituída por jovens sem experiência a nível da dança contemporânea, através do amor estão a conseguir mobilizar e a atrair mais amantes para assistir a essa expressão corporal.

“É importante perceber que a dança junta pessoas e que é sempre importante trazer para outros pontos diferentes tipos de dança e diferentes tipos de pensamento sobre a dança,. E foi isso que aconteceu hoje em Assomada. Estamos a falar de dança contemporânea e trouxemos grupos de diversas expressões existentes hoje em dia . E apesar de todas as dificuldades que tivemos, estamos satisfeitos”, disse.

Para além de Assomada, a cidade da Praia acolhe nesta segunda-feira mais uma edição do Kontornu, mas a organização espera mais engajamento por parte das câmaras municipais e do governo para que este festival possa chegar às outras ilhas de Cabo Verde.

Para a vereadora de Cultura na Câmara Municipal de Santa Catarina, Jacira Monteiro , ao "trazerem este estilo de dança para Santa Catarina", estão a trazer “riqueza, diversão e vida” à cidade de Assomada que é conotada como uma cidade onde não acontece nada.

“Este festival vem contrariar a tendência que temos que em Assomada não acontece nada e que as pessoas não aderem, mas o público que tivemos foi muito participativo e o espetáculo foi maravilhoso. Vamos repetir todos os anos, enquanto Kontornu ainda existir em Cabo verde”, sublinhou.

Estava prevista a realização deste festival no município do Tarrafal, mas foi cancelada.

Comentários