Artigo

Coreógrafa cabo-verdiana Marlene Monteiro Freitas recebe prémio da Sociedade Portuguesa de Autores

O evento aconteceu em Lisboa e distinguiu vários autores de obras em diferentes áreas das artes.

*

créditos: A Semana | Crédito das fotos: Hervé Véronèse / Centre Pompidou

A coreógrafa cabo-verdiana recebeu ontem, dia 15, o prémio de "Melhor Coreografia" na categoria Dança, uma distinção atribuída na gala da Sociedade Portuguesa de Autores. O evento aconteceu no Centro Cultural de Belém e distingue autores de obras em diferentes áreas das artes.

Marlene Monteiro Freitas foi distinguida pela peça Jaguar, onde contracena com Andreas Merk. Segundo o jornal Diário de Notícias, trata-se de uma coprodução que envolveu o festival Alkantara, os teatros Maria Matos, em Lisboa, Rivoli, no Porto, O Espaço do Tempo, em Montemor-o-novo, e várias instituições como Les Spectacles Vivants do Centre Pompidou, em Paris.

Na categoria Televisão, o prémio de Melhor Programa de Informação foi atribuído a "Renegados", reportagem da jornalista Sofia Pinto Coelho, do canal português SIC, sobre pessoas nascidas em Portugal, a quem foi negada ou retirada a cidadania, por causa da aplicação da lei da nacionalidade, que entrou em vigor em 1981. A reportagem falou, inclusive, com vários descendentes de cabo-verdianos.

Na gala foram distinguidos várias personalidades e entidades ligadas à cultura e às artes.

Radicada atualmente em Portugal, Marlene Monteiro Freitas nasceu em Cabo Verde onde cofundou o grupo de dança Compass. Estudou dança em Bruxelas e na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. É reconhecida na Europa pelo trabalho que realiza na área da dança.

Comentários