Artigo

Cesária Évora Academia de Artes ministra Cursos de Verão em iniciação às artes

A Cesária Évora Academia de Artes (CEAA) ministrou durante dois meses Cursos de Verão em iniciação de artes a 40 crianças e jovens de várias zonas da capital em teatro, musicalização infantil, danças criativas e canto coral.

créditos: Inforpress

Os Cursos de Verão da CEAA, que culminaram hoje com a apresentação de uma amostra dos resultados das crianças que participaram no mesmo, destinados aos pais, encarregados de educação e também aberto ao público, iniciaram-se a 17 de Julho com cerca de 40 crianças e jovens, entre elas 19 bolseiras da Associação Alto da Glória.

Em declarações à Inforpress, no ato do encerramento, no Palácio da Cultura Ildo Lobo, que teve uma amostra de uma hora dos trabalhos, a coordenadora da CEAA, Lígia Timas, fez um “balanço positivo” remetendo o mesmo aos pais e às crianças.

Em relação aos alunos que queiram continuar os cursos de iniciação em artes, destinadas a várias faixas etárias, as inscrições estão abertas nas áreas de musicalização infantil e casting para o grupo coral para adolescentes e adultos, em que a participação é gratuita.

Os Cursos de Verão foram ministrados por professores nacionais, todos os alunos custearam o mesmo, com exceção dos do bairro Alto da Glória.

Concernente à CEAA, a responsável informou que oportunamente vão fazer a apresentação de toda a programação e estratégia da mesma, mas que, entretanto, pretendem fazer inicialmente a aposta na universalização da música, do teatro e da dança.

Por seu turno, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, que “gostou do que viu e ouviu”, disse que a alegria das crianças mostra que a iniciativa resultou e que a CEAA está a dar os seus primeiros passos.

De acordo com o governante, após este curso de verão a CEAA vai começar com “mais força” na formação de professores, mestres para que possam preparar a “nova geração” de criadores, artistas e apreciadores de arte.

O ministro que acredita na sustentabilidade deste projeto, afirmou que estão a formar pessoas dedicadas totalmente e que juntamente com o projeto “Bolsa da Cultura” estão a congregar esforços para unir na academia várias escolas e iniciativas.

Fez saber que para este ano a CEAA não teve financiamento do Estado, tendo que fazer várias “ginásticas” e encontrar parceiros, assegurando que para o próximo ano já têm uma verba alocada no orçamento de Estado de 2018, em que vão ter arbitragem no dia 30 de Agosto com ministro das Finanças e contam com parceiros privados.

Durante decorrência do ano, avançou ainda a mesma fonte que vão criar vários cursos, sendo que através da cooperação espanhola e portuguesa já têm vários cursos e workshops garantidos.

“A CEAA nasceu como uma academia livre, mas a ideia é com o tempo consolidar-se como verdadeira academia de ensino de artes”, almejou Abraão Vicente, que anunciou que “brevemente” vão abrir uma extensão no Mindelo, mas a ideia é levar os seus monitores a dar aulas em todo Cabo Verde.

Comentários