Artigo

Cabo Verde participa no encontro de contos tradicionais da lusofonia

O evento acontece de 01 a 08 de abril em Sintra, Portugal.

créditos: Inforpress

Cabo Verde vai estar presente na segunda edição do encontro internacional de contos, estórias e tradições orais da lusofonia denominado “Aqu´Alva Stória Festival”, que se realiza de 01 a 08 de abril próximo em Agualva-Cacém, Concelho de Sintra, Portugal.

De acordo com o presidente da Associação de Dinamização Ambiental, Social e Cultural de Portugal (RJ ANIMA), o cabo-verdiano Adriano Reis, o que se pretende com o evento é uma viagem cultural, costumes e tradições orais dos países lusófonos, através dos contos, das lendas, histórias tradicionais e de autores lusófonos contados por narradores dos países de origem.

“Isto tudo, de uma forma abrangente, enquadra a multiculturalidade que caracteriza os residentes das Juntas de Freguesias da Agualva e Mira-Sintra, Cacém e S. Marcos, todos no Concelho de Sintra, zona da grande Lisboa, onde reside a grande maioria de cidadãos provenientes dos países de língua oficial portuguesa, contribuindo assim para o processo de inclusão, coesão social e cultural da sua população”, explicou Adriano Reis.

O mentor e organizador do “Aqu´Alva Stória Festival” informou que na primeira edição do certame Cabo Verde foi o país em destaque e que para esta segunda edição coube a Timor-Leste merecer o papel de país convidado.

“Este ano vamos realizar o festival num contexto diferente, ou seja, não vamos às escolas mas sim, os contadores de estórias vão estar na rua a contar estórias de forma mais abrangente”, indicou.

Enquanto actor e contador de estórias, Adriano Reis fez saber que a sua prioridade nesta matéria é levar as estórias tradicionais às comunidades africanas, aos afrodescendentes e, sobretudo, à comunidade cabo-verdiana.

“Aos que nasceram cá para tentar transportá-los através de estórias e contos tradicionais, demonstrando-lhes a cultura africana, a nossa identidade e as nossas raízes”, sublinhou, anotando o facto de ter estado a participar em diversos festivais nesta área e que a sua actuação tem sido de uma forma “muito pedagógica”.

Adriano Reis reside em Portugal há 14 anos. É um cidadão multifacetado, que já fez incursões pelo teatro, cinema e televisão e considerado um activista engajado na causa pelos direitos humanos, enquanto “facilitador”.

Comentários