Artigo

AJOC e Unitel T+ lançam prémio de jornalismo “Manuel Delgado”

Os trabalhos apresentados por jornalistas no âmbito deste concurso, vão ser analisados por júris sob a coordenação da AJOC e a Unitel T .

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v80), quality = 80

créditos: Expresso das ilhas

A Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (ALOC) e a empresa Unitel T lançaram hoje o prémio de jornalismo, denominado “Manuel Delgado”, que se destina a jornalistas seniores e jovens do país, como forma de incentivar a produção e divulgação de publi-reportagens.

Em declarações à imprensa à margem da conferência promovida pela AJOC, no âmbito do Dia Mundial de Liberdade de Imprensa, assinalado a 03 de maio, o responsável pela área de comunicação da Unitel T , Alaúdio Ramos, disse que o prémio surgiu no quadro da parceria existente entre a Unitel T e a Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde.

“O jornalismo constitui um terreno fértil para a inovação e construção do novo mundo”, disse, indicando que é neste sentido que a empresa de telecomunicações que representa e a associação de jornalistas estabeleceram esta parceria para promover as novas tecnologias no jornalismo.

O prémio vai ser divido em duas categorias, ou seja, uma para jornalistas seniores, outra para os jovens jornalistas, uma vez que, segundo Alaúdio Ramos, a ideia é apostar não só na formação, mas também em dar oportunidades aos estudantes para apresentarem os seus trabalhos.

“Muitas vezes, os concursos ou prémios são mais voltados para as pessoas que já estão firmes no mercado de trabalho”, disse, realçando que a categoria jovem jornalista é uma forma que estas duas instituições encontraram para dar consideração também aos mais novos.

A categoria jovem jornalista do prémio de jornalismo “Manuel Delgado”, terá como tema “Como seria a minha vida sem o telemóvel”, um tema que, na opinião de Alaúdio Ramos, serve para os jovens fazerem uma reflecção nesse sentido.

Segundo o mesmo, o desígnio é desafiá-los a apresentar um trabalho de até 4 minutos, individual ou em grupos, em que vão mostrar à sociedade cabo-verdiana, como é que a nova geração pode viver sem o telefone. Quanto aos jornalistas seniores, explicou que o desafio é “acasalar” o jornalismo e às novas tecnologias de inovação.

Por seu turno, a presidente de AJOC, Carla Lima, considera que esta constitui uma grande oportunidade na classe jornalística, uma vez que reconhece os trabalhos dos profissionais da Comunicação Social e dá oportunidades aos jovens jornalistas.

“Eu acho que é de justiça reconhecer essa camada mais jovem que faz um trabalho muito bom, já na universidade. Nós vemos muitas vezes, coisas muito benfeitas e criativas que os jovens vão fazendo (…), faz todo o sentido incentivar os jovens jornalistas, sobretudo aqueles que estão a começar agora, para que façam cada vez melhor e ofereçam o seu contributo para o jornalismo em Cabo Verde”, sublinhou.

Carla Lima explicou ainda que o prémio de jornalismo “Manuel Delgado” está ancorado ao valioso contributo que o jornalista Manuel Delgado, já falecido, deu para o jornalismo digital no país, sendo que o mesmo tem tudo a ver com o uso das tecnologias no jornalismo.

Os trabalhos apresentados por jornalistas no âmbito deste concurso, vão ser analisados por júris sob a coordenação da AJOC e a Unitel T .

O melhor trabalho do concurso prémio de jornalismo “Manuel Delgado” será contemplado com um valor monetário de 500 mil escudos e uma oferta para consumo na Internet em 500 mil “magabites”.

Comentários