Artigo

"A imagem do cabo-verdiano nos textos portugueses é fundamental para quem quiser conhecer a História do país"

A afirmação é de Iva Cabral durante a apresentação da obra “A Imagem do Cabo-verdiano nos Textos Portugueses (1784-1844).

A historiadora Iva Cabral considerou hoje que a obra “A Imagem do Cabo-verdiano nos Textos Portugueses (1784-1844), do professor e investigador Danilo Santo, é fundamental para o conhecimento da história do arquipélago.

Iva Cabral fez estas considerações, em declarações à Inforpress, esta tarde, em Assomada, momentos antes da apresentação do livro, resultado da tese do mestrado defendida pelo autor em 2011, cujo lançamento oficial aconteceu em junho, na Cidade da Praia, numa edição da livraria Pedro Cardoso.

De acordo com a historiadora, a obra de investigação. que apresenta documentos do final do século XVIII e início do século XIX, “é fundamental, porque há documentos primários que são fundamentais para o conhecimento da História”.

Para Iva Cabral, o autor escolheu esta cronologia, “propositadamente”, por ser uma data onde aparece mais documentação sobre a sociedade cabo-verdiana, onde a mesma já tinha “uma personalidade e identidade própria”.

Já para Danilo Santos, “A Imagem do Cabo-verdiano nos Textos Portugueses” é um livro que retrata uma época específica da História de Cabo Verde e a configuração e reconfiguração da própria identidade cabo-verdiana.

“Para entendermos a sociedade cabo-verdiana hoje, como que ela chegou onde já se está, convêm ter em conta o estudo deste período (1784-1844)”, sublinhou o autor, em declarações à Inforpress.

Segundo explicou, a investigação analisa a imagem do povo cabo-verdiano construída, pensada e dada a ler nos textos portugueses produzidos entre 1784 e 1844, por um grupo de homens não cabo-verdianos, que eram denominados de forasteiros, que viveram, trabalharam ou que , simplesmente, passaram pelo arquipélago.

Esclareceu a mesma fonte que a data escolhida para o estudo justifica-se pelo conjunto de descrições de caráter histórico, geográfico, sociológico que surgiu entre os finais do século XVIII e a primeira metade do século XIX, formando um conjunto de textos organizados em forma de “Noticias”, “Ensaios”, “Dissertação”, “Relatos”, “Memórias”, “Estudos”.

A obra será uma importante ferramenta de estudo sobre a História do povo cabo-verdiano e um incentivo à pesquisa para o fomento da produção científica no país, acrescentou o investigador. Danilo Santos é licenciado em Estudos Africanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 2008.

Em 2011, fez o mestrado em História da África, na mesma instituição. Atualmente é professor de História e Cultura Cabo-verdiana no Liceu Armando Napoleão Fernandes, em Santa Catarina de Santiago.

Também tem colaborado com o Instituto Universitário de Educação e com o Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa.

A apresentação do livro enquadra-se no âmbito das festividades do município de Santa Catarina, comemoradas a 25 de novembro.

Comentários