Artigo

Óscares: Um erro inédito, vitória surpresa para "Moonlight" e vozes apontadas a Trump

Numa reviravolta inesperada e depois de Warren Beaty ter anunciado "La La Land" como vencedor, o Óscar de Melhor Filme foi mesmo para "Moonlight". Vários discursos apontaram às políticas de Donald Trump e o anfitrião Jimmy Kimmel fez de Matt Damon outro dos alvos da cerimónia.

A cerimónia dos Óscares de 2017 nunca mais vai ser esquecida: ao fim de 88 anos, foi anunciado um vencedor errado do Óscar de Melhor Filme. Para não aumentar a confusão: sim, "Moonlight" ganhou o Óscar de Melhor Filme, mas "La La Land" foi anunciado primeiro como o vencedor.

Em tributo aos 50 anos de "Bonnie e Clyde", Warren Beatty e Faye Dunaway subiram ao palco para anunciar o grande troféu da noite, sob uma ovação em pé.

Parecia o culminar de uma longa noite de celebração do cinema, mas após a abertura do envelope, Warren Beatty parece procurar outro cartão e depois ele e Faye Dunaway levam mais tempo do que o habitual a ler o nome do vencedor.

Todos pensaram que era uma tentativa de criar suspense, mas o que aconteceu é que houve uma troca de envelopes.

Faye Dunaway, não percebendo o sucedido, leu o nome do filme que estava no papel, "La La Land". E calcula-se que Beatty, compreendendo o erro, tenha dado um passo atrás em silêncio calculando que, de qualquer maneira, deveria ser esse o filme vencedor e só internamente se daria pelo lapso. Só que afinal as previsões não se concretizaram e para surpresa geral "Moonlight" foi mesmo o vencedor.

O que se seguiu provavelmente será o momento mais surrealista em 89 anos dos Óscares.

Começam a discursar vários produtores de "La La Land", mas percebe-se que havia alguma perturbação no palco.

Um assistente entrou em palco com um segundo envelope (existem sempre duplicados) e foi o próprio Jordan Horowitz, que estava a fazer o seu discurso de vitória enquanto produtor de "La La Land", que deu a novidade no meio da confusão que se instalara: "Existe um erro. 'Moonlight', vocês ganharam Melhor Filme. Isto não é uma piada, venham cá para cima. 'Moonlight' ganhou Melhor Filme".

Reveja o momento mais polémico da cerimónia

Já existe explicação oficial: entregaram erradamente a Warren Beatty o segundo envelope de Melhor Atriz nos bastidores.

"Quero dizer-vos o que aconteceu", disse este no meio da confusão em palco.

"Abri o envelope e dizia 'Emma Stone, ‘La La Land.’'. Foi por isso que olhei longamente para a Faye e para vocês. Não estava a tentar ser engraçado", visse a estrela visivelmente atrapalhada.

"É muito infeliz o que aconteceu", reagiu o anfitrião Jimmy Kimmel.

"Pessoalmente, culpo Steve Harvey", no que foi uma rápida piada a aludir a uma confusão igual no concurso de Miss Universo. Mas o público na sala, riu pouco: não parecia acreditar no que estava a acontecer.

A equipa dos dois filmes revelou-se extremamente gentil nos agradecimentos, parabenizando a qualidade e o mérito dos colegas da fita adversária, sublinhando a amizade que cresceu entre os artistas das duas películas neste período intenso de promoção quase conjunta, e minimizando o embaraço de todos os envolvidos.

Entretanto, nos bastidores, Emma Stone, citada pelo "Hollywood Reporter", sublinhou que "teve o tempo todo na mão o cartão com a vitória como Melhor Atriz", acrescentando adorar o "Moonlight": "claro que foi maravilhoso ouvi-los dizer "La La Land", teríamos adorado vencer Melhor Filme mas estamos muitos felizes por "Moonlight".

A situação é inédita na história dos Óscares. Pior, vai ser comentada durante muito tempo e faz passar para segundo plano a imagem de igualdade, diversidade e tolerância, que vencedores, apresentadores e Kimmel se esforçaram por passar em várias declarações.

VEJA A LISTA COMPLETA DE PREMIADOS.

A inesperada vitória de "Moonlight" faz com que seja a quarta vez consecutiva que a Academia alinha com a escolha dos Independent Spirit Awards, que estão reservados às produções do cinema independente que custam menos de 20 milhões de dólares.

O filme sobre a vida de um jovem afro-americano desde a sua infância até à idade adulta, acompanhando a sua luta por encontrar um lugar no mundo à medida que cresce num bairro empobrecido de Miami, conseguiu mais dois Óscares: ator secundário para Mahershala Ali (o primeiro muçulmano a ganhar) e argumento adaptado.

Em Portugal, onde estreou a 2 de fevereiro, foi visto até agora por pouco mais de 35 mil espectadores.

"La La Land" ganha seis e mesmo assim perde

Para além da polémica de que se vai falar durante muito tempo, fica ainda o choque formal da derrota de "La La Land", apesar dos seis Óscares que arrecadou.

O musical tinha ganho os principais prémios dentro da indústria e era o grande favorito.

Além disso, a cerimónia parecia encaminhada para a sua consagração pois antes do anúncio do Melhor Filme já tinha seis estatuetas: Realização (Damien Chazelle, que, com 32 anos, se torna o mais jovem vencedor de sempre), Atriz (Emma Stone), Direção Artística, Fotografia, Banda Sonora e Canção (para "City of Stars").

A sua derrota é comparável à do momento na cerimónia de 2006 em que Jack Nicholson anunciou como o Melhor Filme "Colisão" e não "O Segredo de Brokeback Mountain". E ainda mais com o que aconteceu na cerimónia de 1973, quando "Cabaret, Adeus Berlim" ganhou oito Óscares e acabou ultrapassado mesmo no fim por "O Padrinho", que ficou pelos três.

O palmarés também acabou por distribuir felicidade por outros filmes.

"Manchester by the Sea" conseguiu os Óscares de Melhor Ator para Casey Affleck e Argumento Original e "O Herói de Hacksaw Ridge", os de Mistura de Som, o que significa que à 21ª nomeação acabou o azar de Kevin O'Connell, e, mais surpreendente, o da Montagem.

Já "Vedações" valeu o esperado Óscar a Viola Davis como Atriz Secundária e "O Primeiro Encontro" ficou o de Montagem de Efeitos Sonoros.

Para "Lion: A Longa Estrada Para Casa", "Elementos Secretos" e "Hell or High Waster: Custe o que Custar!" ficou a "honra de terem sido nomeados".

Uma noite de celebração do Cinema... 

Ao contrário do habitual, antes do monólogo do anfitrião Jimmy Kimmel, foi Justin Timberlake a abrir a cerimónia dos Óscares com um número musical. Os produtores da cerimónia prometeram fazer algumas mudanças e não começaram com o tradicional monólogo do anfitrião, o que trouxe uma contagiante e pouco habitual exuberância aos primeiros minutos.

O cantor abriu com “Can’t Stop The Feeling”, a canção de "Trolls" nomeada para o Óscar e colocou todo o público no Dolby Theatre em pé a cantar e dançar.

Outra novidade foi a forma como a cerimónia procurou, com sucesso, mostrar o cinema como facto de união dos povos de várias nações, com depoimentos de espectadores de vários pontos do mundo.

Além disso, celebraram-se tanto os filmes do ano passado como os do passado.

Por exemplo, Charlize Theron falou do impacto que teve ao ver "O Apartamento" (1960) pela primeira vez aos 17 anos e os Óscares juntaram-na em palco com a protagonista desse clássico, Shirley MacLaine. O mesmo aconteceu com a junção de Seth Rogen e Michael J. Fox (a propósito de "Regresso ao Futuro") e Javier Bardem e Meryl Streep (o espanhol é um inesperado fã de "As Pontes de Madison County").

Os protagonistas da vida real que inspiraram os filmes nomeados também estiveram particularmente em destaque: Saroo e os seus pais adoptivos, cuja história é contada em "Lion: A Longa Estrada para Casa", estiveram presentes na cerimónia; Katherine G. Johnson, a cientista da NASA de 98 anos cujos feitos são narrados em "Elementos Secretos" mereceu um aplauso de pé quando surgiu no palco de cadeira de rodas; e o próprio Tarell Alvin McCraney ganhou um Óscar pelo argumento adaptado do livro biográfico que conta a sua vida, no oscarizado "Moonlight".

.... sem esquecer Donald Trump 

Ao contrário da vitória de "Moonlight", não surpreendeu o tom mais político da noite.

Logo após a atuação de Justin Timberlake, o anfitrião Jimmy Kimmel fez do presidente Donald Trump um dos alvos do seu monólogo.

Notando que muitos lhe pediram para abordar a cisão que existe no país, esclareceu que não o podia fazer: "Apenas existe um 'Braveheart' na sala", apontando para Mel Gibson, que interpretou o martirizado William Wallace no filme que ganhou os Óscares de 1995. "E ele também não nos vai unir", acrescentou, abordando subtilmente a controvérsia em redor da estrela perante o riso do público.

Logo a seguir, este ficou sério e disse que se todos os que estiverem a assistir à cerimónia parassem "um momento para ir ao encontro de uma pessoa com quem não concordam e terem uma conversa positiva e ponderada... podemos realmente tornar a América outra vez grande".

Outro dos alvos de Kimmel foi Matt Damon, com quem Kimmel mantém uma relação de falsa "animosidade" há mais de uma década.

O anfitrião mostrou disponibilidade para enterrar o machado de guerra, mas acabou por gozar logo a seguir com o facto de Damon ter desistido de fazer "Manchester by the Sea" para fazer "um filme chinês de rabo de cavalo e esse filme acabou por ir perder 80 milhões de dólares".

Veja o monólogo de Jimmy Kimmel:

Ainda assim, a noite acabou por ser mais politicamente mais moderada do que previam algumas antecipações da cerimónia.

O momento mais simbólico acabou por ser a atribuição do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro a "O Vendedor", do Irão: o seu realizador, Asghar Farhadi, que repete a vitória de há cinco anos por "Uma Separação", não estava presente por respeito ao seu povo e ao de outros seis países visados pela lei anti-emigração aprovada por Donald Trump, a sua representante leu um discurso muito crítico em relação às políticas do presidente norte-americano.

Também marcante foi o momento em que os vencedores do Óscar de Melhor Curta-Metragem por "The White Helmets" recordaram a mortífera guerra civil na Síria e o público se levantou em memória das suas vítimas.

O povo também foi aos Óscares

Não fosse o "escândalo do envelope" e um dos momentos que seriam mais comentados e recordados teria sido aquele em que Jimmy Kimmel surpreendeu um grupo de turistas que pensava ir apenas ver uma exposição ao Dolby Theatre e acabou por entrar pela cerimónia dos Óscares adentro.

O momento foi sendo construído ao longo da cerimónia: vimo-los primeiro num autocarro turístico e depois a chegar. Quando entraram, ficaram sem palavras: estão com as estrelas a poucos passos de distância.

Houve muita excitação por parte destes turistas sortudos e alguns dos quais até tiveram direito a segurar o Óscar de Ator Secundário ganho por Mahershala Ali.

Dentro da sala houve "selfies", apresentações a Nicole Kidman, Meryl Streep ou Denzel Washington, que "celebrou" um casamento de dois namorados de Chicago, Gary e Vicky, cuja boa disposição já os tornou "estrelas" na Internet.

Keith Urban, o marido de Nicole Kidman, partilhou o momento visto pelo lado das estrelas.

VEJA AS ESTRELAS NA PASSADEIRA VERMELHA DOS ÓSCARES.

Comentários