Artigo

Morreu realizador japonês de culto Seijun Suzuki

O realizador japonês Seijun Suzuki, que marcou nomes do cinema norte-americano como Quentin Tarantino e Jim Jarmusch, morreu na semana passada, aos 93 anos, vítima de uma doença pulmonar, anunciou hoje o seu antigo estúdio.

Num comunicado divulgado pela conta de Facebook do estúdio (que o despediu na década de 1960), Nikkatsu, este lembrou que Suzuki se estreou no cinema com "Harbor Toast: Victory Is In Our Grasp", em 1956, data a partir da qual “continuou a influenciar os fãs e os cineastas por todo o mundo com filmes como ‘Tokyo Drifter’, ‘Branded to Kill’ e ‘Zigeunerweisn’”.

“O seu último trabalho foi ‘Princess Racoon’, lançado em 2005”, referiu o estúdio, que expressou as suas “mais sinceras condolências e profunda gratidão e respeito pelo trabalho de uma vida".

Um especialista do 'thriller', de cabelo longo e barba branca, como o descreve a agência France-Presse, manifestava “um gosto imoderado pela provocação”, nas palavras da revista Cahiers du Cinema em 1997, quando de uma retrospectiva em França sobre o cinema japonês.

“O melhor que alguma vez lhe aconteceu foi ser despedido”, escrevia o The Guardian em 2015, a propósito do lançamento de um livro sobre o realizador e de uma retrospectiva a ser feita em Nova Iorque, que colocava a questão sobre se os públicos ocidentais estariam finalmente “preparados” para receber Seijun Suzuki.

De acordo com o jornal britânico, Suzuki foi despedido pela Nikkatsu e colocado numa lista negra pelos restantes estúdios, tendo sido considerado “demasiado difícil” trabalhar com o realizador, na sequência de “Branded to Kill”, um filme de ‘yakuza’ que junta “edição experimental, comédia imprevisível e um estilo de fluxo de consciência a algo que devia ter sido um filme de gangsters directo ao assunto”.

Depois deste período afastado do cinema, Suzuki voltou ao trabalho só em 1977 com “Zigeunerweisn”, que veio a receber uma menção honrosa no festival de Berlim.

Questionado em tempos por um jornalista se queria trabalhar até ao fim, Suzuki respondeu, citado pela Variety: “É melhor morrer como uma pessoa comum. Morrer a trabalhar só traz problemas a quem está à nossa volta”.

Comentários