Artigo

Após divórcio, Angelina Jolie prepara regresso em grande a Hollywood

Com o fim da relação com Brad Pitt, a estrela está a analisar vários projetos para regressar ao primeiro plano de Hollywood.

Angelina Jolie tem estado bastante distante dos projetos mais mediáticos desde 2014, quando foi a atriz mais bem paga de Hollywood ao receber 20 milhões de dólares e ainda uma percentagem dos lucros de "Maléfica".

Desde então, apenas realizou e contracenou com o então marido Brad Pitt em "Junto ao Mar" (2015), que teve mais destaque como crónica de um casamento em crise do que espectadores, e foi uma das vozes de "O Panda do Kung Fu 3" (2016).

Ao mesmo tempo, surgiram notícias de que estava farta do mundo do cinema e de ter recusado propostas para as sequelas tanto de "Procurado" (2008) como de "Salt" (2010).

Fez ainda um filme sobre a guerra no Camboja para o Netflix, apresentado este mês.

Agora, após a separação muito pública de Brad Pitt, anunciada a 20 de setembro último, que atingiu uma invulgar dimensão de escândalo envolvendo acusações de abuso infantil de que o ator foi ilibado, o The Hollywood Reporter avançou em exclusivo que a estrela está a preparar um regresso em grande ao primeiro plano de Hollywood.

Jolie está a ponderar várias propostas, que vão desde "Maléfica 2" a um "biopic" sobre a czarina russa Catarina a Grande e o envolvimento com o nobre Grigory Potemkin, além de um drama de espionagem na Segunda Guerra Mundial adaptado do livro "The Spy Who Loved" [A espia que amava].

Outra opção é "Shoot Like a Girl" [Dispara como uma rapariga], baseado na história verídica de uma major piloto da Força Aérea que serviu três campanhas no Afeganistão antes de colocar em causa a "Combat Exclusion Policy", que excluí as mulheres de servir em várias unidades de combate. O argumento está a ser reescrito por Jason Hall, o mesmo de "Sniper Americano".

Ao mesmo tempo, Angelina Jolie estará a preparar discretamente o seu próximo projeto como realizadora, uma adaptação de um livro de 2004 sobre as crueldades perpetuadas num conflito armado não especificado.

Comentários